Turismo e Entretenimento

O que comer e beber em Aruba

Conheça a gastronomia típica da Ilha Feliz e saiba se deliciar como um verdadeiro local

As ofertas gastronômicas de Aruba são uma autêntica lição de história e revelam as influências culturais da Holanda, da América do Sul e do resto do Caribe. Muitas das especialidades destacadas aqui são apreciadas em ocasiões festivas, enquanto outras são consumidas no dia-a-dia. Quer comer e beber como uma pessoa local? Então peça estas iguarias típicas numa viagem à Ilha Feliz para ter uma experiência verdadeiramente arubiana.

No happy hour: ponche crema, coecoei e Aruba Ariba

Vários coquetéis na ilha são servidos com ingredientes criados pelas pessoas locais. Aruba produz a sua própria versão do ponche crema, combinando gemas, creme de leite, rum e uma variedade de especiarias. Outra invenção genuína é o coecoei, um licor vermelho-escuro que mistura a seiva de folhas de agave, rum e açúcar de cana numa receita secular única.

O coecoei é usado para fazer o coquetel mais popular de todos, o Aruba Ariba, que foi inventado nos anos 60. Para fazer este drinque é preciso misturar suavemente um pouco de coecoei, vodka, rum, creme de banana, um toque de grenadine e suco de frutas. Depois de derramar sobre gelo, joga-se no topo um pouco de Grand Marnier. E, claro, não há nenhum lugar melhor para saborear um refrescante Aruba Ariba do que em uma cabana das praias perfeitas da ilha.

Culinária do mar: peixe crioulo e keri-keri

O peixe crioulo, conhecido localmente como pisca hasa crioyo, é um prato tradicional deliciosamente simples: fatias de filé de peixe fresco são fritas e servidas em um molho básico de cebola, tomate, pimentão e alho. E para esta refeição ficar ainda melhor, pode acompanhar um pouco de pan bati, um alimento que está entre o pão e a panqueca feito de amido de milho e cozido numa caçarola de barro, ou então uma porção de funchi, um mingau de polenta. O funchi também pode ser refrigerado, cortado em fatias e frito até dourar e ficar crocante.

Peixes brancos, como o barracuda ou o tubarão, são ideais para fazer um dos pratos mais populares de Aruba, o keri-keri. O peixe cozido é desfiado e salteado na manteiga com tomate, cebola, aipo, pimentão, manjericão fresco, pimenta preta e urucum para criar uma saborosa refeição.

Pratos fartos: keshi yena, sopi e stoba

O keshi yena – que, em português, significa “recheado de queijo”-, é feito recheando a casca de uma bola de queijo Edam ou Gouda com carne temperada, cebola, tomate, pimentão, azeitonas, alcaparras, uvas passas e piccalilli – uma combinação de vegetais e especiarias. Depois de rechear, cobre-se a bola com a tampa original e em seguida assa-se no forno até ficar bem quente e borbulhante. Alguns chefs optam por servir o queijo em fatias em vez de colocar o recheio dentro da casca.

Apesar do clima quente, as sopas e os guisados são muito populares em Aruba. Os lares e restaurantes competem para ver quem tem a melhor sopi oester, a sopa de ostras. A sopi yambo é uma sopa grossa com vários tipos de carne ou marisco, feito com purê de quiabo. Já a sopi cabrito é uma sopa feita à base de caldo de carne e com carne de cabra, alho, tomate, aipo, pimentão e aletria. No que diz respeito a guisados, a escolha é infinita. O stoba carni (ensopado de carne), o stoba cabrito (ensopado de cabrito) e o calco stoba, que é feito a partir de mariscos de concha, são acompanhados pelo funchi e o bati pan.

Para matar a sede e a fome no calor: coquetel Balashi e pastechi

“Balashi cocktail” é o nome dado carinhosamente pela população local para a sua maravilhosa água potável. Basta um gole para entender por quê a bebida ganhou reconhecimento mundial pela qualidade e sabor. O seu nome refere-se à região Balashi de Aruba, onde uma usina filtra e purifica a água do mar do Caribe, até porque a ilha não tem rios ou lagos de água doce. Resultado: a água que sai da torneira é também aquela que é engarrafada pela Tropical Bottling Company e vendida com o nome de AWA, que significa água em papiamento, um dos idiomas oficiais de Aruba.

Nos dias de calor e praia, o melhor mesmo é comer pequenos lanches. O pastechi pode ser a opção ideal nestes momentos. Este pastel em forma de meia-lua cai no gosto dos sul-americanos, já que está entre a empanada argentina e o pastel brasileiro. Pode ser recheada de queijo, presunto, carne, frango ou até peixe. Eles são vendidos em toda a ilha em supermercados, lojas de conveniência e lanchonetes.

Momento de gula: bolos e doces

Muitas palavras em papiamento são parecidas ou até iguais ao português. Uma delas é “bolo”, que os arubianos adoram comer. Os bolos mais tradicionais incluem pudim de pão (pan bolo), bolo de caju (bolo di cashupete), torta de chocolate (bolo chateau), bolo de gemada (bolo ponche crema) e bolo de ameixa (tert di prium).

As sobremesas caseiras são chamados de cos dushi e há várias para satisfazer todos os gostos. Paiseicu e tentalaria são doces feitos de açúcar e nozes; o koeki lerchi é um biscoito de açúcar que está entre os preferidos das pessoas locais, assim como o macaroni, uma infusão de coco com textura similar ao bolo. O quesillo é um versão arubiana do flan de caramelo e as bolas de tamarindo são feitas com polpa de tamarindo enrolada em açúcar granulado, criando uma união perfeita entre o doce e o azedo.

Deixe-se cair na tentação: os bolos e doces podem ser comprados por toda a ilha.

A ilha de Aruba

Com 110 mil habitantes e localizada ao norte da Venezuela, a ilha de Aruba, no Caribe, é conhecida por suas águas claras e areia branca. Oferece infraestrutura completa de lazer, com 28 hotéis e resorts ao longo da costa oeste, spas, cassinos e campos de golfe – sendo um profissional com 18 buracos. Além disso, a Ilha Feliz, como é conhecida a região, apresenta gastronomia internacional variada e diferentes opções de compras. Atividades para toda a família estão disponíveis em terra firme, com passeios e visitas pela ilha, e também na água, com mergulho em seu mar cristalino e esportes aquáticos. Sua localização privilegiada mantem o clima a agradáveis 28 ºC quase todo o ano e fora da rota de furacões. Turistas brasileiros não precisam de visto para entrada no país.
 

Pesquisar Destinos

 

você pode gostar também