Step by Step – O primeiro passo para uma viagem

Então um dia o lado viajante independente aflora. As experiências de outras intrépidas estimulam. As férias estão marcadas  – e nesse ínterim o lado aventureiro grita como os orcs do Tolkien antes das batalhas. E aí? Isso acontece a todas as mulheres que têm desejos por viajar. O que vai diferenciar as que irão apenas sonhar daquelas que realmente colocarão a mochila nas costas são “passos” muito sutis.

Antes que o afã aventureiro evapore, a primeira coisa a se fazer é: estar apta a viajar! Aquelas que preferem o “overseas” a primeira, e imprescindível, ação é tirar o passaporte. Quando a coragem é oscilante, a melhor maneira é já se sentir viajando. Já para as que querem seguir Brasil afora, a viagem tem um passo a menos, o que é mais um propulsor.
Com o passaporte nas mãos começa o planejamento: você pode até adiar, mas a sensação de ter começado tem grandes chances ser um diferencial na hora de decidir seguir adiante.

A Letícia Capucci, uma grande amiga, vai bater asinhas em breve pela primeira vez no exterior. Quando me ligou pedindo ajuda de roteiro e afins, a resposta foi lacônica: primeiro você providencia o passaporte e depois começamos a conversar! Então antes mesmo de saber quais lugares visitar, quanto de dinheiro  levar quantos dias quer ficar em cada cidade, decidir sobre hotel ou albergue, buscar o melhor passe e afins, a primeira coisa é: entrar no site da Polícia Federal, preencher o requerimento, pagá-lo, tirar o passaporte e aí sim, a viagem começa!

Para aquelas que optam por uma viagem nacional, esse é um “problema” a menos. Ou até mesmo para as que desejam seguir rumo aos hermanos argentinos, uruguaios e chilenos. Embora, eu ainda prefira entrar nesses países com o passaporte como documento oficial. Claro que em parte tenho aquele lado “colecionador de carimbo”, mas é, principalmente, para estar limitada usando apenas a identidade brasileira. Numa viagem tudo são possibilidades: imagine que você está no norte do Chile (no qual você entrou com sua identidade) e de repente aparece uma chance ótima de estender a viagem ao Peru? Vai ficar na vontade: o Peru não faz parte do Mercosul, embora esteja ali coladinho no Chile você não poderá atravessar a fronteira.

Limitar-se por quê? Então, em próximas colunas falaremos sobre os passos do planejamento e até dos mitos acerca das “mulheres que viajam sozinhas” – cada coisa que eu leio e escuto que são risíveis (para não dizer imbecis!)


Anotem então: Step 1 – Fazer o passaporte.

Polícia Federal

Assim que entrar na página, estão os links para fazer o passaporte e os documentos necessários. Há uma Guia de Recolhimento da União (GRU) que será gerada após o preenchimento do requerimento (é como um boleto bancário). Os dados são, alguns, bastante específicos, então tenham em mãos a identidade e título de eleitor ao preencher o requerimento do passaporte.

Dependendo da cidade, é possível fazer o passaporte sem precisar agendar. Mas há um link para verificar essa necessidade. No Rio de Janeiro, por exemplo, o agendamento precisa ser feito. Somente nos casos emergenciais, é possível consegui-lo – mas pagando mais caro, apresentando a passagem com data  próxima e enfrentando uma fila gigantesca com atendimento limitado a algumas pessoas por dia (o que faz com que alguns precisem chegar ao posto de atendimento às 4h30 – o que fez a Juliana, minha amiga que resolveu viajar de repente!)

Depois da GRU paga, sem erro: é só apresentar-se ao posto da PF, tirar a foto digital lá mesmo, assinar documentos e esperar alguns dias para ir pegá-lo.

Aí sim, estamos, assim como a Letícia, preparadas para o segundo passo.

 

Mônica SouzaPor Monica Sousa
Monica Sousa é jornalista. Mestre em Comunicação. Viajante sem luxos. Descobriu o prazer de viajar sozinha e não parou mais. No blog batendo-perna mostra que é possível se divertir gastando pouco. Viajar bem e barato.

 

você pode gostar também